Arquivo do blog

Encontros Literários no Novo Nicho pra Santa

Encontros Literários no Novo Nicho pra Santa, na Casa Lygia Bojunga, Santa Teresa, Rio de Janeiro.
Visite:

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Algumas palavras, alguns livros 4

Leitura literária e outras leituras: impasses e alternativas no trabalho do professor

Vera Maria Tietzmann Silva
Belo Horizonte: RHJ, 2009




















A professora Vera Maria Tietzmann Silva, especialista da área da leitura literária, possui diversas publicações no campo da teoria da literatura e das pesquisas sobre leitura: ensaios, organização de antologias, artigos. Sua dedicação à pesquisa de literatura se reflete em sua produção acadêmica (professora da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Goiás há três décadas) e nos seus escritos reflexivos e importantes para o estudo e a transmissão da literatura.


O trabalho com a literatura no Ensino Médio é discutido pela autora nesta obra, integrante da nova linha editorial da RHJ: Leitura literária e outras leituras: impasses e alternativas no trabalho do professor. Diante de impasses e dificuldades, como a constituição leitora desigual dos alunos ingressados no Ensino Médio, bem como a proximidade de exames (ENEM e vestibular), a obra percorre diferentes textos: os canônicos, os contemporâneos, ao comentar, obras de ficção, de poesia e de teatro.


No interior de cada capítulo, surgem as questões com as quais os professores se deparam na sua prática com a leitura. Em seguida, há as alternativas ou estímulos para provocarem reflexão. Na verdade, são provocações que não deixarão o leitor da obra sair neutro. O professor poderá se deparar com dificuldades que já conhece, mas com possibilidades de mudanças e muita leitura a fazer, pois, ao final de cada capítulo, há as “leituras afins”, com sugestões bibliográficas.


Se, por um lado, os alunos e os professores do Ensino Médio vivem a pressão das provas (ENEM e vestibular), da necessidade de concluir uma etapa de ensino; por outro lado, a literatura pode ser uma alternativa para a constituição de valores e para a consolidação da cidadania de cada leitor (docente e discente). É isso o que nos mostra Vera Tietzmann!


                                                                                                               Ninfa Parreiras






Lampião na cabeça
Luciana Sandroni
Ilustrações André Neves
Rio de Janeiro: Rocco, 2010















A história de Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião, é contada aqui por Luciana Sandroni, consagrada autora carioca, num texto bem humorado e metalinguístico. Ao construir a narrativa, a autora divide com o leitor as suas dúvidas, dificuldades e as aparições de Lampião no seu fazer criativo. Essa é a novidade dessa nova obra da autora que já foi laureada com o Prêmio da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil – FNLIJ e o Prêmio Jabuti, da Câmara Brasileira do Livro – CBL.


Num processo dialógico, autora e biografado se encontram e a escuta de Luciana deixa o cangaceiro falar, se expressar pelas linhas digitadas por ela. Nesse trabalho de escutar o Lampião, a autora mostra seu cuidado com a pesquisa de uma biografia, revela seu talento em ouvir o outro e lapidar o texto. E compartilha com o leitor as questões sobre a pesquisa biográfica, o ato de escrever e de fazer literatura. Ficção e realidade se misturam e se aventuram pelas páginas criadas por Luciana como dois lados de uma obra literária, com limites bastante tênues.


Com ilustrações e projeto gráfico de André Neves, artista pernambucano que hoje mora no Rio Grande do Sul, a obra traz uma plasticidade cheia de metáforas: da alegria, da dor, da dúvida, da coragem... Conhecedor dos sertões onde existiu o cangaço, André recria cenas, inventa um Lampião feito em técnica mista, com imagens contextualizadas e lúdicas.


Parabéns à dupla de artistas que com o criativo texto e ilustrações nos trazem mais uma leitura para o famoso homem do sertão e do cangaço. Lampião atuou no cangaço por mais de 20 anos e é o bandido mais famoso do século XX. Ao final, ficam questões para serem respondidas ou pensadas pelo leitor: ele foi um bandido? Era generoso? Era valente e vingativo? Ou um Robin Hood brasileiro?


                                                                                                               Ninfa Parreiras



Crônicas para ler na escola / Carlos Heitor Cony
Carlos Heitor Cony
Apresentação Marisa Lajolo
Rio de Janeiro: Objetiva, 2009
















Um livro recheado de crônicas nos abre a possibilidade de passearmos pelas páginas do cotidiano reinventado, de fazermos diferentes leituras de nós e do mundo. Um episódio, um flash do dia-a-dia é traduzido em relatos cheios de humor, de jogos. Vida e invenção se misturam: o olhar do escritor, o olhar do leitor...


Carlos Heitor Cony, também conhecido pelos seus premiados romances (Matéria de memória e Quase memória), membro da Academia Brasileira de Letras – ABL, é cronista de mão cheia, com seus relatos que retomam o tempo e a memória. E o que seria da literatura sem esses temas fundantes da arte da vida?


A crônica de abertura da obra “O buraco da memória” evidencia o trabalho com o tempo e a memória feito pelo autor. Em outras, há uma nostalgia e uma lembrança retomadas, que podem ser lidas pelos jovens leitores no intuito de conhecerem coisas passadas numa atualidade subjetiva.


A obra faz parte da Coleção Para Ler na Escola, da editora Objetiva, com títulos que dão espaço a diferentes autores consagrados das letras, como Carlos Heitor Cony, João Ubaldo Ribeiro, João Cabral de Melo Neto, Moacir Scliar, Ignácio Loyola Brandão, Rui Castro... E outros autores mais que estão por ser publicados.


São 49 crônicas breves como breve é o olhar do escritor sobre uma cena do cotidiano. Há crônicas para todo gosto: para serem lidas pelos alunos, pelos professores, pelos educadores, como parte da formação leitora de cada um. Podem ser lidas em seqüência ou escolhidas aleatoriamente, ao gosto de quem lê.


A organização das crônicas e a apresentação deste volume ficaram a cargo da professora Marisa Lajolo, autora de inúmeras obras de ensaios sobre leitura e literatura.


                                                                                                                 Ninfa Parreiras


Mulher perdigueira: crônicas
Carpinejar
Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010























Amor, paixão, raiva, preconceito são alguns dos temas presentes nas crônicas de Carpinejar, autor contemporâneo da literatura brasileira, vencedor do Prêmio Jabuti da Câmara Brasileira do livro – CBL, em 2009, na categoria contos e crônicas. Artista da prosa e do verso, Carpinejar é detentor de inúmeros prêmios nacionais. Marca presença em diferentes meios de comunicação virtuais: site, blog, orkut, twitter, com suas palavras ácidas e também líricas; além da forte presença em debates, mesas redondas e encontros com o público leitor.


Suas crônicas carregam alegrias e tristezas, dores, dissabores, amores... Na crônica, Carpinejar faz poesia em versos aguçados de metáforas. O que há de singular no seu texto é o olhar que empresta às situações sem importância, às pessoas desconhecidas, às cenas aparentemente banais. Ele inventa uma língua, cria cenários cheios de afetos, de humor, de graça. Transforma o óbvio em algo sublime, singular. Dá voz ao silêncio, inventa espaços possíveis de associação para quem lê sua obra. Dá forma ao que não está visto.


Coletânea com 125 crônicas a favor das mulheres, como notamos logo na epígrafe de abertura: “Se uma mulher faz um barraco, pode ter certeza de que foi o homem que trouxe a favela”. As narrativas trazem um olhar de um homem sobre as mulheres: é assim que o escritor disseca a alma feminina.


A capa, a partir de uma foto nua feminina de costas, é provocativa. Não traz um rosto, é um corpo de mulher. Traz curiosidade, instiga a pensar. Que mulher perdigueira seria esta? Como não terminar o namoro? De que adianta esperar? São algumas das questões trazidas pelas crônicas que não nos deixam calar os pensamentos.


Fica aqui a sugestão da leitura das crônicas de Carpinejar para os adolescentes e os adultos: são relatos atuais e intrigantes.


                                                                                                           Ninfa Parreiras



(Resenhas também disponíveis no site do Centro Educacional Anísio Teixeira - CEAT: http://www.ceat.org.br/ em Aquisições da Biblioteca: http://www.ceat.org.br/janelas_index/aquisbibli2010.htm )