Arquivo do blog

Encontros Literários no Novo Nicho pra Santa

Encontros Literários no Novo Nicho pra Santa, na Casa Lygia Bojunga, Santa Teresa, Rio de Janeiro.
Visite:

domingo, 28 de novembro de 2010

Ver o Rio


Grades do Rio


                                                           Ninfa Parreiras

Foram telefonemas. Mensagens de emails. Recados. Como está o Rio? Tome cuidado! Interrompa seus trabalhos e viaje! Suma daí! As notícias: são as piores. Tanques do exército, helicópteros, armas de guerra, poeira e uma batalha sem data pra acabar.
Venha pra cá, largue tudo, mude-se pro Algarve, pra Bavária, pra Amazônia, pra Porto Alegre, pros confins das Gerais... Foram muitos os amigos, as vozes de alento. Quem está longe vê o caos ainda mais caótico. Tudo no Rio é exagerado: a beleza, a tristeza, a guerra.
O Rio de Janeiro continua lindo, entre grades, paredes e coletes a prova de balas. Caminho pela orla diariamente, a admirar o mar, as aves, as ondas que brincam de pega-pega pra ver qual chega primeiro. Um dia, alcanço o infinito do oceano.
Dia destes, me chamou a atenção o colete a prova de balas que usavam os seguranças de alguns edifícios no Leblon. O que era aquilo? Por que usar tal colete à beira mar? Era a guerra. Declarada. Bem perto de nós. Em cada esquina, quilos de munição, policiais armados. Um desconforto pra todos.
         Há poucos quilômetros dali, na área da Penha, um confronto de forças. Uma luta social. Milhares de famílias expostas, sacrificadas, velhos, adultos e crianças sem saber pra onde ir. À praia? Haveria mar pra todos? Na areia caberiam todos os sonhos? Como fugir? Nossa Senhora da Penha daria conta de atender a tantos pedidos? Bandidos!


       Entre grades, o Rio abre a beleza, desdobra suas curvas, seduz... Uma floresta que abraça uma cidade inteira, um mar que banha cada parte oceânica. Casas antigas, sobrados, linha do trem... História, cultura, natureza: reunidos num só lugar. Colinas que abrem a cidade aos oito cantos. Cantos? Conta mais da cidade! As pessoas que aqui vivem falam da cidade com boca cheia de orgulho e gosto pela indiscutível beleza. Ou falam com desgosto e preocupação.
       Mais que a arquitetura, a plástica, a urbanização, a natureza, faltaria algo. Um cuidado com as pessoas, com os cariocas, com os trabalhadores, com as famílias, com os indigentes, com os estudantes, com os migrantes, com os imigrantes, com os turistas, com todos que vivemos na Cidade Maravilhosa. Com os estrangeiros todos que aqui chegamos e com os que admiram o Rio de longe. Cuida de nós! É a voz que conclama o mundo a favor do Rio neste inesquecível novembro de 2010.


foto: arquivo do Rio, Lagoa Rodrigo de Freitas, primavera, 2008

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Algumas palavras, alguns livros 6

Leitura: uma aprendizagem de prazer
Suzana Vargas

Edição revista e ampliada
Rio de Janeiro: José Olympio, 2009
 
            No campo dos estudos sobre a leitura e a promoção da literatura, muitas têm sido as publicações nacionais. É uma área de estudos que ganhou espaço e recepção do público no mercado editorial há pouquíssimo tempo. Nas décadas de 80 e 90 houve poucas edições de livros dirigidas aos educadores, autores, editores, especialistas. A obra de Suzana Vargas, Leitura: uma aprendizagem de prazer, relançada recentemente, pode ser considerada um sucesso de edição: é a sua 6ª edição acrescida de alguns capítulos.
            Poucos são os livros neste país que ganham novas edições, ainda mais no campo das pesquisas e estudos sobre a leitura, os clamados ensaios. Bravo para a autora e para a editora! O que temos é uma experiência (da professora e promotora de leitura) e um estudo de mestrado da década de 80 (da estudiosa): são marcos na vida profissional de Suzana Vargas. Agora, na nova edição, ganhamos as experiências de Suzana com as rodas de leitura, principalmente no Centro Cultural Banco do Brasil - CCBB, e com leituras em grupos (na Casa da Leitura, nas oficinas da Estação das Letras).
            Criadora das rodas de leitura que fizeram sucesso no CCBB; da Estação das Letras no RJ (espaço inteiramente dedicado a cursos de criação literária), dentre outras ações de promoção da leitura, a autora vem com a sua bagagem literária para brindar o leitor sobre as suas reflexões acerca da relação leitura/leitor/livro. Mais do que nunca, é o momento para os educadores terem acesso a obras como esta: onde há espaço para reflexão, conhecimento de experiências e uma boa bibliografia. Um espaço de troca, de diálogo entre leitor e literatura que se constrói nas entrelinhas do texto.
            Recomendamos o livro como uma obra formadora para o leitor interessado em conhecer literatura, em aprofundar os conhecimentos na área da leitura literária e de práticas voltadas à literatura. Notamos que há duas partes: uma experiência acadêmica, de estudo do mestrado; e outra experiência prática, com as rodas e os grupos de leitura. Aliar a teoria à prática não é uma tarefa fácil para os profissionais. E Suzana traz isso com generosidade, ao dividir com cada leitor a sua trajetória profissional e leitora.
            Por sua vez, a obra nos possibilita a oportunidade de discutir que aprendizagem de prazer a autora defende. Leitora atenta e também poetisa, Suzana nos transmite com gosto suas experiências literárias apaixonadas. E nos deixa em dúvida: se há prazer, se há satisfação, se há gosto, se há formação da leitura. O certo é que a leitura literária suscita dúvida, conflito, não fecha caminhos nem responde perguntas, abre questões e novas formas de desejar, para os que somos sujeitos da nossa própria história.
            Destacamos o capítulo sobre literatura infantil, muitas vezes excluída de estudos sobre a literatura. A obra Marcelo, marmelo, martelo, da consagrada autora Ruth Rocha, é tomada como exemplo e discutida no âmbito das obras para as crianças, com relevância para a fantasia que habita esta importante etapa do desenvolvimento humano.
            Leitura: uma aprendizagem de prazer chega em nova edição para leitores diversos: educadores, livreiros, autores, editores, professores, bibliotecários, estudantes das áreas de humanidades... Todos que quiserem conhecer mais sobre a leitura literária!



Ninfa Parreiras