Arquivo do blog

Encontros Literários no Novo Nicho pra Santa

Encontros Literários no Novo Nicho pra Santa, na Casa Lygia Bojunga, Santa Teresa, Rio de Janeiro.
Visite:

terça-feira, 17 de setembro de 2013

Algumas palavras, alguns livros 21

Flores raras e banalíssimas
A história de Lota de Macedo Soares e Elizabeth Bishop
Carmen R. Oliveira
Rio de Janeiro: Rocco, 1995
            Conhecer um relacionamento amoroso entre duas mulheres, talentosas e sensíveis, nos faz pensar sobre a criação amorosa e o trabalho. Chegam ainda dores e perdas. As relações são feitas de tudo isso. De novembro de 1951 a setembro de 1967, Maria Carlota Costallat de Macedo Soares (1910-1967), brasileira, nascida em Paris, e a norte-americana Elizabeth Bishop (1911–1979) viveram uma relação intensa, marcada por descobertas e viagens. Entre Lota e Bishop, havia ora um compasso, ora um descompasso de trocas e paixões. Realizaram uma vida amorosa, rodeadas de amigos, de um ambiente natural da serra fluminense. E também de tensões e incompatibilidades.
Por um lado, da parte de Lota, a construção de uma casa e jardins em Samambaia, Petrópolis, RJ, a idealização do Parque do Aterro do Flamengo, no Rio de Janeiro, a convivência com artistas, escritores e arquitetos consagrados da época, o gosto apurado, a preocupação com o viver bem. Por outro lado, da parte de Bishop, a sensibilidade para fazer poemas, o olhar que descortina o Brasil, a busca de um recanto acolhedor, a convivência com amigos de outros continentes, que vieram visitá-la: Aldous Huxley, Raymond Aron, Nicolas Nabokov, John dos Passos... Uma parceria amorosa, regada por arte, literatura e natureza.
Se uma era muito segura e empreendedora, a outra frágil e dependente. Ao conhecermos a história das duas, percebemos o quanto o desamparo as acompanhava. Lota parecia uma mulher segura e valente, mas não suportou a ideia de perder a companheira que volta para Nova York. Bishop não conseguia produzir no contexto que marcou o tempo de trabalho de Lota no projeto do Parque do Aterro do Flamengo. Uma sentia a falta da outra.
A generosidade delas, em compartilhar suas criações, os jardins da casa serrana, o Parque do Flamengo, os poemas, as traduções, nos mostra a parceria e a relação que se desenvolveu. Uma gostava de ler para a outra. Juntas, construíram uma família. Parece que o afastamento delas não foi favorável para nenhuma delas. O Brasil, inicialmente estranho para Bishop, era o lugar onde ela teve uma casa, que enriqueceu sua vida. Fez inúmeras viagens pelo país, com destaque para Ouro Preto, onde também residiu parte da sua vida e para a Amazônia, onde esteve mais de uma vez atraída pela excentricidade das pessoas, das matas e comidas.
Carlos Drummond de Andrade, Manuel Bandeira e Clarice Lispector foram alguns dos escritores das leituras de cabeceira de Bishop. Encantada pela informalidade e identidade desses artistas, ela traduziu alguns dos seus textos.
O que há de melhor na obra de Carmen R. Oliveira, adaptada recentemente para o cinema, pelo diretor Bruno Barreto, é o contato com a história das duas amantes. Outras obras retratam o universo de Bishop, com passagens discretas pela sua experiência brasileira. Em Flores raras e banalíssimas, temos a intensidade de afetos das duas e das pessoas e acontecimentos que as cercaram: parte importante da história do Rio de Janeiro e do Brasil protagonizada por Lota e a revelação da poesia de Bishop, considerada uma das mais importantes poetas de língua inglesa. 
                                                              Ninfa Parreiras

Antologia ilustrada da poesia brasileira, para crianças de qualquer idade
Organização e ilustrações Adriana Calcanhotto
Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2013
            Ler poemas para crianças de qualquer idade inclui no público as crianças, os jovens e os adultos: toda a família! Isso realiza uma das características da literatura: a de ser universal e atemporal. A poesia não pode mesmo ser endereçada a um único público.
Ao folhear esta delicada obra organizada por Adriana Calcanhotto, passeamos por diferentes épocas, estilos e poetas brasileiros. Ela reuniu de Afrânio Peixoto, poeta baiano, a Arnaldo Antunes, poeta paulistano. Do carioca Vinicius de Moraes ao mineiro Carlos Drummond de Andrade. São dezenas de poemas que nos presenteiam com brincadeiras, dúvidas, non sense, ironia, descobertas, estações, animais. Coisas para cada leitor descobrir!
Na poesia, encontramos elementos tão necessários a nossa vida: a musicalidade, os ritmos, os movimentos e a brincadeira de palavras. E ainda o não entender o que se lê. Como na vida, não entendemos tudo o que vivemos. A poesia não é para ser entendida e interpretada, mas para ser sentida e vivida, com todas as lacunas que traz.
Uma apresentação, um sumário, a biografia dos poetas e a bibliografia enriquecem a obra editada pela Casa da Palavra, que valoriza a produção poética de tantos escritores. Nada como ler o poema e conhecer o autor! Sobre fundo claro, foi feita a impressão dos versos. Ilustrações de Calcanhotto retratam imagens associadas aos versos e nos convidam a virar a página e a ler mais um poema.
                                                                     Ninfa Parreiras 

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

Modos de ser 1

Modos de ser: 
Golpistas da internet, scammers nigerianos
Ninfa Parreiras
        A internet tem facilitado nossa vida social e afetiva. Muitos serviços você faz de casa: compras, movimentação bancária. Eliminamos o uso do fax, a ida ao correio para passar um telegrama: você pode fazer isso pela internet. Escreve ou conversa com amigos e familiares. São fácil e economicamente contatados por emails, facebook, bate papo on line, skype.
            Por sua vez, a internet gerou suas formas de perversão, os profissionais golpistas das diversas áreas possíveis aproveitam! E outros que usam a facilidade desse meio de comunicação para atuar de uma forma maldosa e corrupta.
       A cultura digital nos trouxe a velocidade do contato: você adiciona o conhecido ou desconhecido com a mesma facilidade que o deleta da sua conta de email e facebook. O que isso representa no campo dos afetos? Ao descartar uma pessoa dos seus contatos, você a tira com a mesma facilidade que a integrou. Não houve um vínculo afetivo que sustentasse a relação, que trouxesse mágoa, paixão, ciúme. Teria desaparecido a intensidade afetiva das paixões? Não fazemos laços nem amizades duradouras com tantos conhecidos adicionados, como os mais de mil contatos. Temos relacionamentos instantâneos que duram quanto tempo dura o interesse de troca. É o mundo do mercado e do consumo que impera sobre todas as coisas e sentimentos!
            Há quadrilhas organizadas que atuam via emails e facebook, desde 2009, conhecidas como scammers nigerianos que residem em diversos países. Dirigem-se a homens e mulheres, adultos de todas as idades do mundo todo. Já atuaram em golpes a empresários. Agora, tem sido corrente o golpe amoroso, amistoso.
Os brasileiros são alvo certo, gostam de uma conversa, são receptivos ao estrangeiro. Há solteiros, viúvos e separados que procuram seus pares: homens ou mulheres. E há as solteiras, viúvas e separadas que buscam seus pares: homens ou mulheres. Do lado de lá, há senhoras e senhores de idade que possuem um patrimônio significativo e estabelecem amizades com pessoas de cá. Há pessoas interessadas em uma amizade brasileira. Uma grande ficção!
            Aliás, a nossa vida é feita de ficções, de coisas que criamos para sobreviver e suportar aquilo que não tem volta: a nossa mortalidade. Alimentamos nossas paixões, precisamos estar acompanhados, sentimos falta do outro. Acreditamos nas narrativas pessoais e sociais, sem falar nas literárias. E a palavra nos seduz, nos deixa levar por enganosos contatos. Isso acontece com relacionamentos pessoais e virtuais.
            As conversas com os golpistas são estabelecidas na nossa língua, traduzidas pelo Google tradutor ou outro programa de tradução. Os depoimentos são superficiais, consumistas, imediatistas, cheios de lugar comum. A pessoa que está do lado de lá quer estabelecer logo um relacionamento com a vítima daqui: ter intimidade e confiança que você custa tempo e quilômetros caminhados para estabelecer. Podem até enviar flores, presentes, cartões, fotos de família, declarações de amor e de amizade... Quando percebem que a pessoa daqui está inteiramente cevada, como um animal, preparam-se para dar o bote. Geralmente acontece quando o golpista está a trabalho fora do seu país, ou a caminho do Brasil. Pode ser o pedido de um empréstimo para uma cirurgia fora ou um depósito para efetuar a compra de um produto onde a pessoa está. Ou um valor porque o golpista foi roubado. Logo, surge a solicitação de um depósito em uma conta estrangeira. E você ainda não sabe que sua paixão do lado de lá é um golpista.
           A construção narrativa das mensagens não costuma apresentar coerência nem elementos de verossimilhança. Ou seja, um texto que não serviria para uma boa novela. Repete outros tantos que foram enviados a pessoas de diferentes partes do mundo. Por sua vez, os elementos perversos se derramam pela conquista virtual que pode contar também com telefonemas e conversas via skype, geralmente em inglês mal falado. Ou seja, pegam pessoas que se entregam com facilidade a relacionamentos virtuais e que são confiáveis. Agem na falta de. Falta de companhia, de um amigo/uma amiga, de uma pessoa da família. Preenchem um espaço vazio que existe na sua vida. O risco são os prejuízos emocionais e financeiros. São modos de ser da nossa contemporaneidade: tanto a entrega apaixonada a contatos instantâneos, quanto as ações perversas dos golpistas, também instantâneas.  
            Para saber mais sobre os scammers nigerianos, consulte e leia depoimentos de pessoas que foram enganadas:
Divulgue!

foto: arquivo pessoal, Tiradentes, verão 2011